LISBOA, PORTUGAL

@ Centro Upaya

EM PESSOA

18 a 20 de Outubro

(17h-21h na sexta-feira, 10h-18h no sábado e domingo)

$500 pagamento escalonado disponível

20 vagas disponíveis

Este workshop tem um pagamento escalonado disponível. A Sarah está a viajar dos Estados Unidos, o que implica despesas elevadas. Há um número limitado de lugares com desconto disponíveis, destinados a servir a comunidade local. Se quiser pagar menos do que o preço indicado, leia a nossa SLIDING SCALE HERE para obter orientações e códigos de desconto. Se é estrangeiro e pode estar a viver ou a visitar Portugal, por favor considere pagar o preço total. 13 lugares disponíveis a $500. 3 lugares a $450. 2 lugares a $400. 2 lugares a $300. Planos de pagamento bissemanais disponíveis automaticamente no checkout. Contacte directamente a Sarah se precisar de um plano de pagamento de 3 meses.

Este fim de semana será uma rara e nutritiva medicina para a Alma. Traz a nuance e a gravitas de um trabalho de alma necessário e profundo a que somos chamados a fazer.

Através do fluir do qigong arquetípico, da expressão primordial do corpo-fluido e do enquadramento de uma única história do livro oracular Mulheres que Correm com os Lobos, debruçamo-nos para a verdade da Ferocidade Feminina e caminhamos entre mundos para reclamarmos a nossa integridade e trazer à superfície a ferocidade dos gestos e insights da vida interior que são necessárias para guardar e proteger a nossa verdade, agência, integridade e poder, para as nossas vidas pessoais e para o nosso mundo que nos está a pedir para ousar aparecer plenamente.

A história e o movimento são as nossas expressões e capacidades humanas mais indígenas, independentemente da nossa origem. As partes mais profundas de nós reconhecem o poder do símbolo e do gesto físico. A importância e o impacto do arquétipo e do símbolo é uma linguagem que nos atravessa e fala connosco numa linguagem da alma – em flashes de tomada de consciência e conhecimento directo dos nossos ossos.

A ferocidade do feminino há muito que foi socializada em nós – relegada para as sombras em contextos pós-coloniais ocidentais. Qualidades, expressões e o ancorar no corpo da assertividade, limites, frontalidade, precisão, discernimento, determinação inabalável, conhecimento profundo e directo, segurança, dizer não, protecção, diferenciação, separação, corte, língua afiada, dizer a verdade, astúcia, clareza, acção, agência e poder… estes movimentos e energias transportam uma profunda sabedoria e poder transformador nas nossas vidas e no nosso mundo. Não podemos aceder a estas qualidades apenas nas nossas mentes. Temos de nos lembrar de como elas são sentidas nos nossos gestos e corpos.

A ferocidade da alma feminina (em todos os corpos e géneros) é muitas vezes mantida em segredo, escondida da vista, e relegada para territórios não expressos. Na maioria dos mitos, contos de fadas e cenários da vida real que retractam uma protagonista feminina, é a encarnação e a expressão desta ferocidade que é necessária para a libertar da sua própria captura, domesticação e desaparecimento e ir em direcção a uma vida e caminho de soberania e verdadeiro poder.

Demasiadas vezes, as qualidades da integridade feroz tornam-se versões distorcidas, falsas e ineficazes de si mesmas, à medida que se retorcem como nós de raiva, fúria e ressentimento no nosso interior… ou tornam-se tão escondidas que parecem completamente impossíveis de encontrar, tornando-nos falsamente passivas, duvidando de nós mesmas, hesitantes, acanhadas, desencarnadas e dissociadas.

Os aspectos e qualidades da ferocidade feminina fazem parte do nosso corpo animal instintivo, contendo uma profunda integridade quando não são reprimidos, escondidos ou evitados.

A verdade fundamental da alma feminina selvagem é que nós sabemos o que deve viver e o que deve morrer.  Não está apenas ao nosso alcance, mas também dentro da nossa inteligência biológica sermos os guardiões dos ciclos e os actores desta agência. O mapa desta natureza Vida/Morte/Vida está contido em todos os contos de fadas e histórias/mitos intactos ao longo dos tempos.

movimento na nossa mitologia pessoal, bem como nos mitos que nos guiam e que se estão a desenrolar nas nossas vidas. Há uma mitologia para os gestos inatos que surgem dos nossos tecidos e que podem ser tocados em fluxos arquetípicos específicos de qigong. Ambos contêm uma inteligência holográfica única e brilhante que contém mapas para nos mostrar onde estamos, onde estivemos e para onde ir a seguir, espelhos dentro dos quais nos podemos ver e compreender os nossos estados e condições, e a medicina para nos nutrir e instruir em relação ao que é realmente importante e para onde ir a partir daqui.

Quando não estamos ancorados nos nossos ossos, nem próximos dos gestos somáticos desta ferocidade instintiva, vivemos nas nossas “cabeças”, sentimo-nos cortados do nosso saber instintivo, sentimo-nos como uma alma faminta a vaguear numa espécie de zona zombie. É difícil usar a nossa voz, dizer um “não” ou um “sim” pleno, erguermo-nos, ousar aparecermos – para nós e para os outros – e criarmos a partir da nossa assinatura original da força de vida.

Este workshop está aberto a todos os géneros e a todos os CORPOS que desejam explorar as qualidades da ferocidade no contexto da socialização moderna da alma feminina.

 

O que é o Qigong Arquetípico?

Diferente de outros estilos de Qigong que podem parecer e sentir um pouco mais abstractos, estas formas carregam símbolos e histórias de uma forma impressionante. Ao longo dos últimos 10 anos de ensino destas formas, muitas vezes os alunos comentam que “de alguma forma conhecem estas formas” nos seus ossos, que elas “parecem certas”, parecem gestos pelos quais têm ansiado. Estas formas arquetípicas oferecem-nos mapas elegantes e histórias em movimento, espelhos nos quais nos podemos ver claramente em qualquer momento e potentes medicinas e bálsamos energéticos. Através delas, movemo-nos literalmente para uma conversa com a sabedoria, o recurso e a memória universal do mundo arquetípico – padrões expressos e histórias que contêm as chaves para o nosso potencial, integração e poder criativo. Cada forma de qigong contém uma medicina diferente – o que pode ser habitar e cultivar padrões de rendição, protecção, ferocidade, verdadeira vulnerabilidade, qualidades de guerreiro, coragem, esperança, confiança, profundo poder yin, profunda beleza yang, por exemplo? Estas formas fazem-nos passar de um ideal/ideia para uma sensação sentida destas energias e qualidades.

Nestas formas, fazemos o trabalho de “realizar a alma com ritual físico”. Não só cultivamos a energia, a relação correcta com os ciclos naturais, a sensibilidade e o ancorar reverente no corpo, como também comungamos com os mundos invisíveis, arquetípicos e míticos que dão sentido e alinhamento às nossas vidas mundanas.

O que é a expressão primordial do corpo-fluido?

Somos corpos animais fluidos e vertebrados. O corpo não é um objecto. O corpo é um processo natural. Nós não TEMOS um corpo. Nós SOMOS um corpo. Somos um processo natural com uma inteligência primordial que vive nos nossos tecidos e sabe como criar harmonia em todo o sistema através do desdobrar e dobrar naturais dos movimentos fluidos da vida. Quando vivemos e nos expressamos num modelo rígido e mecânico de compreensão do corpo, somos reduzidos a estados e performance, hábito, insistência e exigência… Expressamo-nos como máquinas, em vez de movimentos flexíveis, dinâmicos e biointeligentes que nos podem nutrir e criar resiliência e coerência. Todos nós sabemos como ser assim. Está nas nossas células. É a nossa história de origem e o nosso estado natural. Não há nada a corrigir. Em vez disso, estamos a procurar ver o que interrompeu esta expressão fluida. Neste workshop, vamos trabalhar com explorações de movimentos fluidos no chão como um caminho para regressar a esta coerência original. Este tipo de movimento vai hidratar, nutrir e animar-nos até aos ossos. É uma experiência de regresso à água, em terra.

Pré-requisito:

**Os participantes devem reconhecer se têm a confiança, o enraizamento físico e a ancoragem psíquica para se manterem no tempo e no espaço. É necessário um sentido claro de contenção. Este workshop não é adequado para quem possa estar a sentir-se desestabilizado, traumatizado, a lutar para curar ou a precisar de restabelecer a coerência básica do sistema nervoso ou da vida. (Agradecemos a Liz Koch de Core Awareness por esta linguagem)

About Sarah Byrden

Sarah Byrden is a somatic educator, archetypal qigong teacher, a poet and writer, storyteller, orator and wilderness guide. A two time TEDx presenter, Sarah has dedicated over twenty years to the deep study and apprenticeship of nature-based movement modalities, archetypal patterns, words and wilderness. She brings skill, nuanced perception and capacity for language to her teaching in a way that opens new doors and pathways. Teaching from her own direct-study and life-long journey, she is the founder of The Elemental Self, a creative space for remembering our truest self, the web in which we belong, and our innate capacity to move and be moved by a source beyond our conditioning.